Especialista ensina a calcular juros de financiamentos

Mantenha seu orçamento sob controle

Sempre que você faz uma compra a prazo, usa o cartão de crédito, o cheque especial ou faz um empréstimo, paga juros por isso. Além disso, quanto maior for o tempo para pagar e mais alto for o valor emprestado, mais juros você vai pagar. Então, na hora de calcular quanto terá que desembolsar pelo produto ou serviço que está adquirindo, é preciso colocar essas taxas na sua conta. Assim, você corre menos risco de perder o controle e se endividar.


“É importante informar ao consumidor que ele deve conhecer os juros que incidem sobre o que está comprando ou contratando. Deve pesquisar todas as modalidades de crédito e instituições financeiras, para ver quais são as melhores opções, as que oferecem as menores taxas. Isso porque os juros podem ser definidos livremente e há grandes variações no mercado”, alerta Miguel José Ribeiro de Oliveira, diretor-executivo de estudos e pesquisas econômicas da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (ANEFAC).
A seguir, o especialista ensina, na prática, a fazer esse tipo de conta, em cada situação específica.


No financiamento de um produto
Além de saber se a parcela cabe no seu bolso, analise o valor total que pagará pelo bem. Depois, compare as condições com as de outra instituição financeira. Para fazer a conta, você precisa saber o valor de cada prestação, a taxa de juros e a quantidade de parcelas que vai assumir. Se for comprar um financiamento de um automóvel no valor de R$ 25 mil, por exemplo, com uma taxa de juros mensal de 1,6%, terá a seguinte situação:

  • Se o financiamento for feito em 24 meses, você vai pagar 24 parcelas mensais de R$ 1.262,65, totalizando um valor de R$ 30.303,60.
  • Em 36 meses, você paga 36 parcelas mensais de R$ 918,93 = R$ 33.081,48.
  • Em 48 meses, 48 parcelas mensais de R$ 750,14 = R$ 36.006,72.
  • Em 60 meses, 60 parcelas mensais de R$ 651,27 = R$ 39.076,20.

Na utilização do cheque especial
Para avaliar quanto esse empréstimo vai pesar no seu orçamento, é preciso saber a taxa de juros por dia e multiplicar pelo número de dias em que a conta ficou negativa. Considerando que você vai utilizar um valor de R$ 1 mil, com uma taxa de juros de 9% ao mês:

  • Se utilizar o cheque especial por 20 dias: R$ 1 mil multiplicado por 0,09 (9%) = R$ 90. Divida por 30 (quantidade de dias no mês) para saber o valor diário (o resultado é R$ 3) e multiplique pela quantidade de dias que usou o cheque especial (20). O resultado é que você vai pagar R$ 60 só de juros.
  • Se não cobrir a conta após esses 20 dias, terá R$ 1,060 mil negativo em sua conta. Se a situação permanecer da mesma forma por mais 30 dias, novos juros incidirão e o saldo será de R$ 1,060 mil multiplicado por 0,09 (9%). Desta vez não é necessário dividir pelo número de dias no mês nem multiplicar pelos dias utilizados. Você vai pagar o equivalente ao mês inteiro de uso, o que dá R$ 95,40 somente de juros (saldo negativo total de R$1.155,40).
  • No caso do exemplo citado, se você estiver devendo no cheque especial R$ 1 mil, daqui a 6 meses vai estar devendo R$ 2 mil. Por isso, quanto mais rápido você liquidar essa dívida, melhor.

Na utilização do cartão de crédito

Neste caso, é como se tomássemos uma quantia da instituição que fornece o cartão para gastar agora e pagar só no futuro. Portanto, a operação não deixa de ser um empréstimo. O cálculo também vai depender da taxa de juros praticada e do período utilizado. Imaginando que você gaste R$ 3 mil no cartão e que a taxa de juros seja de 10% ao mês, terá o seguinte cenário:

  • Se atrasar o pagamento por cinco dias, terá que arcar com R$ 50 só de juros (a conta segue a mesma regra do cheque especial: os juros são cobrados de acordo com a quantidade de dias em atraso). Esse valor será cobrado na fatura do mês posterior.
  • Se optar por pagar um valor mínimo da parcela, que hoje é de 15% do valor total (ou R$ 450) e deixar de pagar R$ 2,550 mil, você vai pagar R$ 255 somente em juros no mês seguinte.
  • Se não fizer o pagamento da fatura e optar por pagar o valor total ao final do outro mês, isso irá lhe custar R$ 300 de juros.

Daí a importância de pagar sempre a fatura em dia, no valor total ou o mais próximo possível dele.

Na aquisição de um empréstimo pessoal 
Caso recorra a um empréstimo pessoal, uma das linhas de crédito mais baratas, no valor de R$ 10 mil, por exemplo, com uma taxa de juros mensal de 5%, terá a seguinte situação:

  • Se parcelar em 6 meses, você vai pagar 6 parcelas mensais de R$ 1.970,17 = R$ 11.821,02.
  • Em 12 meses, você paga 12 parcelas mensais de R$ 1.128,25 = R$ 13.539,00.
  • Em 24 meses, 24 parcelas mensais de R$ 724,71 = R$ 17.393,04.
  • Em 36 meses, 36 parcelas mensais de R$ 604,34 = R$ 21.756,24.

Tags: cartão de crédito Dívidas e Financiamentos empréstimo empréstimo pessoal financiamento orçamento organização financeira

Veja mais