Participação de jovens na bolsa de valores tem crescimento

Só no ano passado, 55 mil pessoas decidiram se arriscar pela primeira vez no mercado de ações

A sempre tão séria bolsa de valores, quem diria, rejuvenesceu. De acordo com dados da B3, os jovens entre 16 e 25 anos são os principais responsáveis pelo aumento no número de investidores em 2017.

Para se ter uma ideia, só no ano passado, 55 mil pessoas decidiram se arriscar pela primeira vez no mercado de ações. Desse total, 28,6% pertenciam a essa faixa etária. Mas afinal, a que se deve esse crescimento do interesse dos jovens pela bolsa de valores?

Economistas explicam que o aumento do número de pessoas com até 25 anos que passaram a investir suas economias está relacionado a fatores como:

Aumento do acesso à informação

As estratégias de marketing digital adotadas pelas corretoras, blogs de investimentos e cursos online dedicados ao assunto aproximaram os jovens do mercado de ações e ajudaram a desmistificar o que antes parecia ser um tema complexo e enfadonho.

Interessada em obter lucros altos e sem medo de arriscar, essa geração percebeu que, com dedicação e interesse em aprender, poderia encontrar informações na internet e construir sua própria carteira de ações.

Desburocratização do processo

O lançamento de plataformas digitais que facilitam as aplicações na bolsa de valores acabou atraindo a atenção desse público, que é altamente ligado às novidades tecnológicas.

Se antes investir na bolsa de valores parecia complicado e burocrático, hoje é possível realizar as operações por meio de aplicativos de celular, tornando todo o processo rápido, moderno e, consequentemente, atraente para pessoas dessa faixa etária.

Investir na bolsa é uma boa ideia?

Embora o crescimento da participação dos jovens na bolsa de valores seja bastante significativo, é importante ter em mente que não se trata de um investimento para todos. Antes de lançar-se no mercado de ações, é importante fazer uma análise franca do seu perfil investidor.

Investir exige um perfil arrojado e pode não ser uma boa ideia para os mais conservadores, já que tanto os ganhos como as perdas podem ser expressivos. A recomendação é que o investidor siga o que os economistas chamam de “regra dos 80”.

Segundo ela, você deve diminuir sua idade desse número e destinar o percentual obtido a um investimento de risco. Logo, quanto maior a sua idade, menor o valor que deverá ser investido dessa forma.

Além disso, é importante se perguntar qual é o motivo do seu investimento. Se a ideia é ter uma aposentadoria tranquila, por exemplo, economistas indicam os fundos de pensão como um investimento mais adequado.

Outro ponto destacado pelos especialistas na área é que, diferentemente do que acontece com outras opções do mercado, investir em conhecimento sobre o assunto é fundamental para quem quer obter bons resultados financeiros.

Em um país como o Brasil, no qual a educação financeira não é cultural, dar os primeiros passos no mercado de ações sem conhecer bem o seu funcionamento pode transformar as expectativas de lucros em um amargo prejuízo.

Tags: bolsa de valores finanças investimentos jovens

Veja mais