PGBL ou VGBL: você sabe quais são as diferenças?

Previdência é sinônimo de longo prazo. Escolher o plano considerando rentabilidade e incidência de imposto é essencial

A hora de começar a investir na sua aposentadoria é agora. No entanto, contratar um plano de previdência privada é uma decisão que gera algumas dúvidas. A principal delas é: investir em PGBL ou VGBL?

Embora a sopa de letrinhas e os termos técnicos da área confundam muitas pessoas, não é difícil entender do que se trata cada uma dessas duas opções.

Neste artigo, nós vamos mostrar as principais características e vantagens que diferenciam os dois tipos de plano, para te ajudar a encontrar a melhor alternativa para o seu dinheiro lhe garantir uma aposentadoria tranquila e confortável. 

O que é o PGBL e o VGBL?

O Plano Gerador de Benefícios Livres (PGBL) e o Vida Gerador de Benefícios Livres (VGBL) são os principais tipos de planos de previdência privada disponíveis no Brasil.

Ambos funcionam como um fundo poupador: após um período de pagamento, acumulação e investimento de recursos, os planos remuneram seus participantes com uma renda mensal.

O rendimento pode ser vitalício, sob a forma de aposentadoria, por um período determinado, ou pode ser sacado em uma única vez.

Quais são as diferenças entre os planos de previdência?

O funcionamento dos dois planos é semelhante. O que difere o PGBL do VGBL é, principalmente, a forma de tributação de cada um.

Estes são os principais aspectos de cada modalidade:

PGBL 

  • Dedução no Imposto de Renda dos aportes anuais realizados ao plano, com um limite de até 12% da renda declarada e bruta do investidor.
  • Incidência de imposto apenas sobre a renda recebida ou valores resgatados, quando eles ocorrerem.
  • Recomendado para quem faz a declaração do Imposto de Renda no modelo completo.

VGBL 

  • Recomendado para quem é isento do Imposto de Renda, para quem faz a declaração no modelo simplificado, ou para quem já possui um PGBL, mas quer investir em mais de um plano de previdência.
  • Sem abatimento de Imposto de Renda sobre os aportes realizados ao plano, mas com um desconto padrão de 20% que engloba qualquer dedução a que se tenha direito.
  • Incidência de imposto sobre os rendimentos que o plano tiver, e não sobre o total acumulado.

Formas de tributação no resgate

Existem duas formas para tributar os resgates em planos de previdência privada: a tabela progressiva compensável e a tabela regressiva definitiva.

Tabela progressiva compensável: possui alíquotas maiores quando o valor resgatado for maior, mas permite a compensação de despesas dedutíveis, como gastos com dependentes e despesas médicas, no valor do imposto de renda.

Tabela regressiva definitiva: possui alíquotas menores quando o tempo de aplicação dos recursos for maior, mas não oferece compensação ou abatimento no imposto de renda.

É possível obter ganho fiscal nos dois sistemas, mas a decisão de qual é a melhor modalidade para cada tipo de plano de previdência depende da quantia, do tempo de aplicação e da situação fiscal do investidor.

Existe portabilidade entre PGBL e VGBL?

Se, depois de algum tempo, o investidor perceber que não escolheu o melhor investimento, é possível fazer a portabilidade entre planos. A única condição é que a mudança seja para um plano da mesma categoria.

Logo, se o investimento é em PGBL, a migração precisa ser para outro PGBL. Da mesma forma, se for um VGBL, o investidor só pode mudar para outro plano VGBL.

E, então, já sabe qual é o melhor plano de previdência para você?

PGBL ou VGBL, o importante é começar agora a construção de um futuro mais tranquilo e seguro. 

 

Tags: imposto de renda investimento PGBL previdência complementar VGBL

Veja mais